Publicidade
20/09/2017
Login
Entrar

Internacional

31/08/2017

União tem 90 dias para suspender programas de apoio à indústria

Reuters
Email
A-   A+
Brasília - A Organização Mundial do Comércio deu um prazo de 90 dias para o Brasil suspender sete programas de apoio à indústria questionados pelo Japão e pela União Europeia e considerados como subsídios ilegais na decisão do Painel que analisou os casos, de acordo com o relatório final obtido pela Reuters.

O governo brasileiro vai recorrer de pelo menos parte da decisão tomada pelo Painel da OMC, informou o subsecretário de Assuntos Econômicos e Financeiros do Itamaraty, Carlos Márcio Cozendey.

A decisão deve estender o prazo para o Brasil ser obrigado a implementar as medidas até pelo menos metade de 2018. A apelação só pode ser feita a partir de 19 de setembro, e o Brasil tem 60 dias para apresentá-la. O órgão de apelação leva em média 90 dias para uma decisão, mas com processos atrasados, a resposta tem sido mais demorada. É tempo suficiente para que alguns programas sejam modificados ou até mesmo acabem, como o regime automotivo Inovar Auto, que vale apenas até dezembro.

“Há uma consciência muito clara e um esforço para que programas que eventualmente substituam os existentes não tenham os problemas mencionados. Uma das razões para a apelação é precisar melhor os espaços que existem nesses instrumentos”, disse Cozendey. Alguns pontos, explicou o embaixador, nem valem ser citados na apelação. “Alguns pontos da decisão reforçam legislação já tradicional da OMC”, lembrou.

De acordo com o relatório, os programas estabelecidos pelo Brasil taxam excessivamente produtos importados na comparação com os nacionais, usando subsídios proibidos por darem vantagens competitivas a empresas tendo como base regras de uso de conteúdo local ou desempenho em exportações.

“O Painel reconhece que a OMC permite concessão de benefícios para produtores locais. O que está em questão é a forma como está feito. Todos os programas oferecem algum tipo de redução de impostos que incidem diretamente sobre produtos. Na análise, temos duas dimensões do incentivo: as reduções e, por outro lado, os requisitos que as empresas têm que cumprir”, explicou o embaixador. Esse formato de incentivo traria condições desiguais de competição. Cozendey esclareceu que a exigência de conteúdo local, prevista em alguns dos programas, é proibida por normas da OMC.

Inovar Auto - O Painel analisou sete programas de incentivos fiscais e redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) nas áreas de telecomunicações, automóveis, informática, além de ajuda a exportadores em geral. Entre eles estão o Inovar Auto, que dá crédito presumido de até 30 pontos percentuais para investimentos em tecnologia e aquisição de insumos no Brasil, e Lei de Informática.

A combinação de legislações iniciada em 1991 e modificada em 2001, 2004 e 2014, oferece redução do IPI a investimentos em pesquisa para produção de hardwares e automação industrial.

A OMC condenou ainda o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores e Displays (Padis), que reduz a zero a alíquota de impostos de importação de insumos para fabricação desses produtos, e o Programa de apoio ao desenvolvimento tecnológico da indústria de equipamentos para a TV digital (PATVD), com a mesma política para insumos para fabricação de TVs digitais.

Na mesma leva entrou o Regime especial de aquisição de bens de capital para empresas exportadoras (Recap), que suspende a cobrança de PIS e Cofins na compra de máquinas e equipamentos de empresas altamente exportadoras, além do PEC, programa na mesma linha.

A decisão do governo brasileiro de recorrer da decisão do Painel vai adiar o risco de retaliações a que os países atingidos terão direito se o Brasil não cumprir a decisão. O Órgão de Apelação da OMC iniciaria, então, um novo exame do caso, o que deve levar entre três e seis meses para ocorrer.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/09/2017
Trump ameaça a Coreia do Norte na Assembleia Geral da ONU
Presidente dos EUA fala em destruir país asiático
20/09/2017
Câmara da União Europeia cobra abertura de mercado na China
Pequim - A Câmara de Comércio da União Europeia na China afirmou ontem esperar que a nova liderança que sairá da reunião do Partido Comunista chinês...
20/09/2017
Temer defende saída diplomática para a crise
Brasília - O presidente Michel Temer defendeu ontem uma “solução diplomática” para o conflito entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, que teve mais um...
20/09/2017
Cuba também é alvo de críticas do governo dos EUA
Nova York - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou em seu discurso na Assembleia Geral da ONU que o regime de Cuba é “corrupto e desestabilizador” e reiterou...
19/09/2017
Donald Trump faz críticas às Nações Unidas
Presidente norte-americano pediu reformas em sua primeira visita à sede da ONU em Nova York
› últimas notícias
Usiminas reajustará preços em 10,2%
Setor deve mudar o foco dos investimentos
Iace tem alta de 0,7% em agosto, aponta a FGV
MP para repactuação de concessões é publicada
BR Food cogita reduzir produção em fábricas de Uberlândia
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Minas se distancia da recessão
Fapemig aguarda até 16 de outubro os projetos de pesquisa para o Queijo Minas Artesanal
Compre Certo planeja ampliar atuação no interior do País
Reino Unido estreita, ainda mais, parceria com Fiemg Lab
Arranjos Produtivos Locais em Minas vão receber investimentos personalizados
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de September de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.