Publicidade
20/10/2017
Login
Entrar

Política

22/09/2017

Temer recebeu propina, afirma Funaro

Odebrecht e Andrade Gutierrez destinaram recursos de obra de usina para o presidente, diz doleiro
AE
Email
A-   A+
Michel Temer foi denunciado por organização criminosa/BETO BARATA/PR
Brasília - O corretor Lúcio Bolonha Funaro afirmou, em depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR), que o presidente Michel Temer foi um dos destinatários de propina paga pela Odebrecht e Andrade Gutierrez em uma obra da estatal Furnas no rio Madeira, em Porto Velho, Rondônia. As duas empreiteiras são sócias de Furnas na Santo Antônio Energia, responsável pela implantação e operação da Hidrelétrica Santo Antônio, obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Além de Temer, teriam recebido propina os ex-deputados Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, os dois presos atualmente por conta de desdobramentos da Operação Lava Jato. Funaro não cita os valores da propina.

De acordo com o delator, Cunha lhe contou que a propina foi acertada pelos executivos Benedicto Júnior, da Odebrecht, e Otávio Azevedo, da Andrade. “Os valores foram recebidos por Eduardo Cunha e, posteriormente, foi repartido entre com Henrique Eduardo Alves, Arlindo Chinaglia e para Michel Temer”, diz Funaro em depoimento prestado em 24 de agosto de 2017 e anexado à denúncia oferecida por Rodrigo Janot contra Temer por organização criminosa e obstrução de Justiça.

Ainda segundo o delator, “provavelmente os pagamentos foram feitos parte em espécie e parte em doação de campanha, como era feito de costume na maioria dos casos.”

“Cunha costumava ir na casa de Octávio Azevedo, localizada perto do aeroporto, quando ia a São Paulo. Que não sabe precisar, nesse caso, o valor total pago e os percentuais da divisão. Que Arlindo Chinaglia recebeu parte da propina porque era presidente da Câmara e ajudou a convencer o governo a entregar a presidência de Furnas para Eduardo Cunha”, explica Funaro em seu relato.

Em suas delações, os executivos Henrique Valladares, Augusto Roque Dias Fernandes Filho, José de Carvalho Filho e Benedicto Barbosa da Silva Júnior, o “BJ”, todos da Odebrecht, disseram aos investigadores que um grupo de quatro parlamentares recebeu cerca de R$ 50 milhões em propina para ajudar a empreiteira baiana e a Andrade Gutierrez na licitação de Santo Antônio.

Entre os citados pelos delatores, estão dois elencados por Funaro em seu depoimento: o ex-deputado Eduardo Cunha e o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP). O petista teria recebido R$ 10 milhões e Cunha teria embolsado outros R$ 20 milhões. Os delatores citam ainda o senador Romero Jucá, R$ 10 milhões, e o ex-assessor de Michel Temer, Sandro Mabel (PMDB-GO), que teria amealhado R$ 10 milhões. Todos os repasses, segundo os delatores, teriam sido divididos entre os centros de custo da Odebrecht e da Andrade Gutierrez.

Defesa - A reportagem questionou o Palácio do Planalto que afirmou que a posição do presidente Temer é a mesma contida em nota divulgada na última quarta-feira. Na nota, a Presidência da República afirma que as declarações do corretor Lúcio Funaro não são dignas de crédito. “Versões de delator já apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como homem que traiu a confiança da Justiça não merecem nenhuma credibilidade. O criminoso Lúcio Funaro faz afirmações por ‘ouvir dizer’ ou inventa narrativas para escapar de condenação certa e segura”, diz o comunicado.

No mesmo dia em que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu encaminhar ao Congresso a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, a Secretaria de Imprensa da Presidência da República distribuiu nota rebatendo acusações do corretor Lúcio Funaro, que é conhecido como operador do PMDB da Câmara. De acordo com o Planalto, “o doleiro Lúcio Funaro mais uma vez desinforma as autoridades do Ministério Público Federal” e “todos imóveis do presidente Michel Temer foram comprados de forma lícita e estão declarados à Receita Federal”.

A nota diz ainda que “Funaro continua espalhando mentiras e inverdades de forma contumaz, repetindo o mesmo roteiro de delações anteriores, em que traiu a confiança da Justiça e do Ministério Público, com já registrou a Procuradoria Geral da República”.

Conforme revelou o jornal “O Globo”, Funaro afirmou em delação que “Eduardo Cunha redistribuía propina a Temer, com ‘110%’ de certeza” e que José Yunes, amigo e ex-assessor de Temer, lavava dinheiro para o presidente por meio da compra de imóveis. De acordo com o jornal, Funaro disse que Yunes, “além de administrar, investia os valores ilícitos em sua incorporadora imobiliária” e que não sabia se os imóveis adquiridos por Michel Temer estão em nome do presidente. Funaro destacou, porém, que sabia, por meio de Eduardo Cunha, que Temer tem um andar inteiro na Avenida Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo.

Na nota, o presidente, por meio de sua assessoria, informa que “o imóvel na avenida Faria Lima, em São Paulo, por exemplo, foi adquirido no início de 2003”, quando “Eduardo Cunha sequer era filiado ao PMDB”. Em seguida, a nota distribuída pelo Planalto lista os imóveis do presidente, explicando que os recursos usados para aquisição deles vieram “de contas pessoais e aplicações do presidente, todos devidamente declarados em Imposto de Renda”. Justifica também que “essas foram as economias usadas para adquirir as salas, pagas à vista” e acrescenta que “o prédio só foi entregue efetivamente em 2010”.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/10/2017
Aécio pode deixar comando tucano
Licenciado da presidência do partido, senador é cobrado para renunciar ao cargo
20/10/2017
Temer exonera ministros para votação
Auxiliares com mandato na Câmara poderão apresentar hoje emendas individuais ao Orçamento
20/10/2017
Geddel lidera "organização criminosa"
Brasília - A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou em manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB)...
20/10/2017
Projeto que autoriza BC a firmar leniência passará por comissões no Senado
Brasília - O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmou ontem que o projeto de lei aprovado pela Câmara dos Deputados que permite ao Banco Central firmar...
20/10/2017
Dória propõe "trégua" até convenção
Goiânia - O prefeito de São Paulo, João Doria, e o governador de Goiás, Marconi Perillo, ambos colegas de PSDB, saíram em defesa do senador Aécio Neves...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.