Publicidade
19/11/2017
Login
Entrar

Finanças

13/09/2017

Ritmo de corte da taxa Selic será menor

Copom chegou a discutir em sua última reunião a antecipação do fim do ciclo de redução dos juros
ABr/Reuters
Email
A-   A+
O comitê do Banco Central reduziu a taxa básica de juros em 1 ponto percentual para 8,25% na semana passada/Beto Nociti/BCB
São Paulo – O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) deve reduzir o ritmo de cortes na taxa básica, a Selic, e já antevê o fim do ciclo de redução dos juros. A indicação consta da ata da última reunião do comitê, divulgada ontem.

O BC chegou a discutir os benefícios de antecipar oportunamente o fim do ciclo de redução dos juros, mas julgou mais benéfico sinalizar o encerramento gradual da flexibilização monetária diante das circunstâncias atuais de inflação baixa e indícios de recuperação econômica.

“Um processo gradual facilita a comunicação e permite o acúmulo de mais evidências sobre o comportamento da economia à época de encerramento do ciclo”, apontou o BC por meio da ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada ontem.

“Avaliando as circunstâncias atuais, o Copom julgou conveniente sinalizar que, caso o cenário básico evolua conforme esperado no momento, o comitê antevê encerramento gradual do atual ciclo de flexibilização monetária”, completou o comunicado.
Na semana passada o BC cortou a taxa básica de juros novamente em 1 ponto percentual, levando-a a 8,25% ao ano, e indicou que vai desacelerar o ritmo de reduções de forma gradual, mensagem reforçada na ata.

“A importância da ata é que ela explica melhor a estratégia gradualista do final do ciclo adotada pelo BC. Traz uma racionalidade sobre a estratégia adotada e reforma a comunicação já feita no dia da decisão”, afirmou o economista-chefe da Votorantim Corretora, Roberto Padovani.

Os membros do Copom ainda repetiram que o processo de flexibilização monetária continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação.

“É curioso notar que a autoridade monetária quer enfatizar que uma abordagem teórica é uma opção - como se pretendesse nos lembrar que todas as opções estão em suas mãos”, concluíram em nota o economista-chefe Jankiel Santos e o economista sênior Flávio Serrano do banco Haitong.

Sobre a inflação, o BC destacou na ata a surpresa desinflacionária da queda intensa dos preços dos alimentos, explicando que esse fator responde por parcela relevante da diferença entre as projeções de inflação para 2017 e a meta.

O IPCA acumula em 12 meses até agosto alta abaixo de 2,5%, o que fica bem aquém do piso da meta oficial - de 4,5 %, com margem de 1,5 ponto percentual.

Leia também:
PIB do Itaú Unibanco cresceu 0,5% em julho


Retomada - Os membros do Copom, porém, avaliaram que os níveis baixos de inflação vêm melhorando o poder de compra da população, o que contribui para a retomada da economia e gradualmente levará a inflação em direção à meta ao longo de 2018.

No comunicado da decisão de política monetária, a autoridade monetária já havia diminuído a projeção de inflação pelo cenário de mercado para em torno de 3,3% em 2017, de 3,6% antes. Para 2018, a perspectiva de alta do IPCA subiu a 4,4%, contra 4,3%.
A mais recente pesquisa Focus que o BC realiza semanalmente com uma centena de economistas mostra que a expectativa é de um corte de 0,75 ponto percentual na Selic na reunião de outubro.

Contudo, os economistas consultados reduziram a projeção para a taxa básica de juros no final deste ano a 7%, de 7,25% antes, enquanto que para 2018 foi a 7,25%, de 7,5%.
Juros mais baixos podem ajudar a consolidar a recente melhora no consumo e no mercado de trabalho, que contribuiu para o crescimento econômico acima das expectativas no segundo trimestre.

Fiscal - O BC voltou a destacar, no entanto, que a questão fiscal permanece sendo um fator de risco. O governo buscar retomar as negociações no Congresso para que a reforma da Previdência seja aprovada.

“A aprovação e implementação das reformas, notadamente as de natureza fiscal, e de ajustes na economia brasileira são fundamentais para a sustentabilidade do ambiente com inflação baixa e estável, para o funcionamento pleno da política monetária e para a redução da taxa de juros estrutural da economia”, apontou a ata.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/11/2017
Índice Bovespa volta a subir e fecha a semana em alta
Bolsa paulista valorizou 1,28% na sexta-feira
18/11/2017
Grupo vai discutir crédito para o varejo
São Paulo - O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, se comprometeu a montar um grupo de trabalho com o objetivo de buscar soluções ao alto custo de crédito...
18/11/2017
IPC-S de Belo Horizonte tem variação positiva de 0,24%, aponta a FGV
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal da cidade de Belo Horizonte (IPC-S/Belo Horizonte) registrou variação de 0,24%, na apuração realizada na segunda...
18/11/2017
Dólar registra queda de 0,47% aos R$ 3,263
São Paulo - Após passar a manhã volátil, o dólar se firmou no campo negativo e renovou as cotações mínimas ante o real na tarde de...
17/11/2017
Controladora da Centauro pede aval para IPO
São Paulo - O Grupo SBF , da rede varejista de artigos de esporte Centauro, pediu registro de companhia aberta e de oferta de ações à Comissão de Valores...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.