22/07/2018
Login
Entrar




Negócios

21/01/2014

Mineiras ensinam mulheres a empreender

Empresárias oferecem consultoria em aptidão, novos negócios e mercado exclusivamente ao público feminino
Thaíne Belissa
Email
A-   A+
Priscila Valentino e Karine Drumond fundaram a Negócio de Mulher há dois anos/Divulgação
Acreditando no potencial da mulher para o empreendedorismo, duas mineiras apostam na consultoria de negócios voltada para universo feminino e já começam a ficar conhecidas em outros estados. Profissionais da área de comunicação, Karine Drumond e Priscila Valentino fundaram a empresa Negócio de Mulher há pouco mais de dois anos, com a intenção de incentivar mulheres a empreender. Mas, o que era apenas uma atividade paralela virou um negócio rentável com o oferecimento de cursos e materiais didáticos.

A ideia veio em 2011, durante um encontro de empreendedores de tecnologia, ocorrido em Belo Horizonte. As sócias perceberam que elas faziam parte da minoria de mulheres presentes no local e passaram a refletir sobre a situação. "Tivemos a ideia de promover eventos que incentivassem as mulheres a empreender. Fizemos alguns encontros e criamos o site para falar sobre negócios de uma forma mais leve e ligada ao universo feminino", relata Karine Drumond. Ela afirma que a ideia só virou negócio no meio do ano passado, quando as sócias perceberam a demanda crescente de mulheres em busca de mentoria.

Para atrair mais contatos para sua lista de newsletter, as sócias desenvolveram um e-book gratuito que traz conceitos teóricos e práticos sobre como transformar paixão em negócio. A estratégia deu certo e a empresa conseguiu ampliar de 200 para 4 mil nomes cadastrados. Além disso, a Negócio de Mulher passou a oferecer cursos para turmas com uma média de 20 mulheres com o mesmo tema do livro. "São cursos que duram um dia inteiro, sendo a manhã dedicada ao autoconhecimento com exercícios práticos para mulheres pensarem o que gostam de fazer e quais são suas habilidades. A parte da tarde é sobre como transformar isso em negocio", explica a sócia. De acordo com ela, os cursos custam, em média, R$ 300.

A empresa já está planejando para este mês o lançamento de um novo e-book, que desta vez será pago. Karine Drumond afirma que o preço ainda não está definido, mas deve custar em torno de R$ 30. Outra novidade para este ano são os cursos on line, que devem começar a funcionar neste primeiro semestre. A sócia explica que eles são muito semelhantes aos já existentes e trarão o mesma tema sobre transformação de paixão em negócio.

"A pessoas compram a inscrição no curso e assistem as aulas no momento que quiserem. Serão oito vídeos, além de arquivos em PDF para estudos e exercícios. Também estamos planejando encontros por videoconferência para tirar dúvidas e conhecer as alunas", adianta. O preço para essa nova modalidade também não está definido, mas segundo Karine Drumond deve ser um pouco mais barato que o curso tradicional.

A sócia destaca que essa presença on line é um dos principais focos da empresa para 2014. Ela afirma que já foram realizados cursos em Belo Horizonte e São Paulo, mas há demanda de outras cidades, como Rio de Janeiro, Brasília e Porto Alegre. "Queremos diversificar o nosso modelo de negócio para atingir mais cidades. Hoje, a empresa é muito dependente da nossa presença física, então queremos ampliar nossa atuação on line", frisa.

Leia também

CasaCor Minas começa em agosto
Empresas usam redes como ferramenta de gestão
Profissionais precisam reagir com ânimo à crise
IDEIAS | A melhor forma para se tornar uma empresa inovadora
Funcionários não conseguem se desligar do trabalho durante as férias

Metodologia - Para Karine Drumond, o principal diferencial da Negócio de Mulher é a metodologia rica em diferentes saberes e voltada para as especificidades do universo feminino. "Unimos conhecimentos de áreas muito diversas, como psicologia, startup, empreendedorismo, marketing, coach e negócios. Percebemos que as mulheres se identificam muito mais com o conteúdo feito para elas do que se pegassem um livro frio sobre negócios. Trabalhamos muito com exemplos de outras empreendedoras para inspirá-las e com técnicas de autoconhecimento que exploram o emocional", detalha.


Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
CasaCor Minas começa em agosto
Edição deve atrair cerca de 50 mil pessoas até setembro e gerar 550 novos negócios
21/07/2018
Empresas usam redes como ferramenta de gestão
Nos últimos três anos, os pequenos negócios no Brasil apostaram na informatização e na utilização de novas ferramentas digitais, em especial nas...
21/07/2018
Profissionais precisam reagir com ânimo à crise
O cenário político e econômico atual faz com que instabilidade tome conta nas empresas. O resultado disso são as várias demissões que ocorrem, deixando um...
21/07/2018
IDEIAS | A melhor forma para se tornar uma empresa inovadora
O mundo está cada vez mais dinâmico e os consumidores mais empoderados. Por isso, inovar é o caminho natural das empresas, que precisam estar em constante...
21/07/2018
Funcionários não conseguem se desligar do trabalho durante as férias
Manter completa distância do trabalho durante o período de férias talvez seja coisa do passado. De acordo com uma pesquisa da Robert Half realizada em maio de 2018, com base...
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.