Publicidade
20/10/2017
Login
Entrar

Negócios

20/10/2015

Lojas virtuais seguem contratando no País

As posições com maior procura pelo setor são programador, analista de e-commerce e auxiliar de e-commerce
Email
A-   A+
São Paulo - A desaceleração econômica chegou ao comércio on-line brasileiro. De acordo com a Pesquisa Profissional de E-commerce, 49% dos negócios registraram queda nas vendas em 2015. Os resultados ruins, porém, não frearam a expansão das empresas: 45% delas contrataram novos funcionários este ano, e apenas 27% precisaram demitir.

"O mercado de e-commerce segue a linha ascendente nos últimos anos e os empreendedores se direcionam para esse setor para encontrar seu espaço, abrindo lojas especializadas", afirma, em nota, Daniel Cardoso, sócio-diretor da Universidade Buscapé Company, responsável pelo levantamento.

As posições com maior procura pelo setor são programador, analista de e-commerce e auxiliar de e-commerce, segundo levantamento da consultoria e-Vision Group, que faz recrutamento para o mercado digital. De acordo com a empresa, a oferta de vagas para essas especialidades cresceu 110%, 171% e 76%, respectivamente, entre o primeiro semestre de 2014 e o de 2015.

Em média, a oferta de trabalho na área aumentou 51%. A única colocação que registrou queda foi a de nível gerencial (-48%).

A demanda em alta por profissionais fez a exigência dos empregadores cair. Em uma escala de 1 a 5, a média de qualificação exigida em 2014 era de 4,32; esta ano, caiu para 4,28. O desempenho dos candidatos, por outro lado, subiu: de 3,21 no ano passado para 3,45 este ano.

O estudo, em sua quarta edição, entrevistou entre agosto e setembro 492 profissionais de comércio virtual, dos quais 51% são proprietários, 15% são gerentes, 13% analistas e 21%, outros cargos.

Leia mais
Vendas pela internet surpreendem mercado
MasterCard simplifica operações na web

Leia também

Eu sei que sou difícil: como conhecer suas limitações pode impactar o seu negócio
Israel ganha uma startup a cada 8 horas
Pastelaria Marília terá opção fit em 2018
País precisa de mais investimentos
Excelência da Nippon é destaque em simpósio

Perfil - A pesquisa traçou também as características de quem trabalha com lojas on-line. Os homens são a maioria (74%), com média de idade de 36 anos e qualificação superior (28% são pós-graduandos e 45% têm graduação completa). A renda média desse profissional é de R$ 5.077 por mês.

Os negócios, por sua vez, estão concentrados na região Sudeste, que abriga 70% dos trabalhadores da área, seguida pela Sul, com 20%. O estado com mais profissionais de e-commerce é São Paulo, com 55% do total.

Para os empregadores, as habilidades mais importantes esperadas de um funcionário são "organização e planejamento", "foco em resultados" e "flexibilidade e inovação". Os pontos críticos, que precisam ser aprimorados pelos profissionais, são marketing digital, uso de ferramentas de análise de dados e adoção da tecnologia mobile (via celular). (FP)



Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/10/2017
Eu sei que sou difícil: como conhecer suas limitações pode impactar o seu negócio
Ter um gênio difícil pode ser ruim para a convivência com as pessoas. Mas, acredite, é pior ainda para o crescimento da sua empresa
20/10/2017
Israel ganha uma startup a cada 8 horas
Possibilidades de conexão entre o país e Minas Gerais foram apresentadas e debatidas ontem em BH
20/10/2017
Pastelaria Marília terá opção fit em 2018
A tradicional pastelaria Marília de Dirceu, que completa 25 anos em novembro, está investindo R$ 400 mil em obras de expansão. Localizada na praça homônima, no...
20/10/2017
País precisa de mais investimentos
Setor contribui para o desenvolvimento e para a inserção no cenário internacional
20/10/2017
Excelência da Nippon é destaque em simpósio
O intercâmbio tecnológico Japão-Brasil promovido pela Nippon Steel & Sumitomo Metal Corporation (NSSMC) foi tema do painel “De uma Ponta a Outra”, parte da...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.