Publicidade
20/08/2017
Login
Entrar

Economia

21/03/2017

Locamerica anuncia fusão com a Ricci

Operação vai formar a maior empresa de gestão de frotas do País, com receita anual de R$ 1,1 bilhão
Leonardo Francia
Email
A-   A+
A Locamerica acertou operação para assumir a liderança nacional do segmento de locação de frotas/Divulgação
A locadora de veículos belo-horizontina Companhia de Locação das Américas (Locamerica), especializada na gestão de frotas, anunciou ontem a fusão com a paranaense Ricci Locadora. O negócio cria a maior empresa do segmento de locação de frotas do País, com market share em torno de 10%, um faturamento combinado de R$ 1,126 bilhão ao ano e 43 mil veículos de frota.

“É uma operação simples porque a Ricci é uma empresa complementar à Locamerica, com presença na região Sul e lojas de seminovos concentradas em um estado onde não temos unidades, que é o Paraná. A Ricci também tem uma tecnologia de atendimento ao cliente avançada e sem dúvida extrairemos o melhor das duas companhias nos próximos meses para formar uma nova empresa, mais competitiva e preparada para avançar no cenário competitivo desse mercado”, afirmou o diretor-presidente da Locamerica, Luiz Fernando Porto.

A operação ainda está sujeita à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). “O Cade tem um prazo livre para aprovar o negócio, mas esperamos que nos próximos 40 a 45 dias teremos a aprovação e estamos muito confiantes. A nova empresa já nasce como líder do segmento de locação de frotas, com 10% de participação, o que não é muito porque é um mercado muito pulverizado”, explicou o diretor-presidente da Locamerica.

Porto revelou que serão contratadas consultorias especializadas no mercado de locação de frotas e veículos e em processos de fusão para capturar as sinergias entre as duas empresas. Sobre a manutenção dos nomes Ricci e Locamerica, o executivo afirmou que ainda não estava definido se eles permanecerão ou se serão alterados, mas garantiu que qualquer decisão será tomada “com calma e assertividade”.

Por outro lado, o diretor-presidente da Locamerica revelou que uma das primeiras ações que devem ser realizadas após aprovação da operação pelo Cade é a otimização da estrutura de capital da Ricci. “Vamos fazer a reestruturação da dívida da Ricci, que tem um prazo menor e custo maior do que a da Locamérica o mais rápido possível. Assim que fizermos isso teremos um ganho financeiro muito forte”, disse.

Porto ainda comemorou a união entre as duas empresas, que para ele “cria uma força maior na aquisição de veículos”. “Achamos que teremos ganhos na compra de carros, além de sinergias administrativas e operacionais”, pontuou, lembrando que as empresas se complementam geograficamente, uma vez que o foco da Ricci é na região Sul e o da Locamerica na região Sudeste.

Operação - A Locamerica está adquirindo 33,7% das ações da Ricci por R$ 53,9 milhões e, para incorporar a empresa paranaense, a Locamerica vai emitir uma ação ordinária da companhia para cada 1,91 ação ordinária de emissão da Ricci, totalizando uma emissão de 17,39 milhões de papéis em favor da Ricci, o equivalente a 26,73% do seu capital social (da Locamerica).

Após a conclusão da operação, os acionistas Ricci terão, em conjunto, uma participação acionária de, aproximadamente, 21,1% da Locamerica. Já o acionista controlador da Ricci, também presidente da companhia, Dirley Ricci, será titular de uma fatia em torno de 17,7% da Locamerica, passando a integrar o atual bloco de controle da companhia, composto por Luiz Fernando Porto e Sergio Resende.

O Banco do Brasil e o Banco Votorantim atuaram como assessores financeiros dos acionistas da Locamerica e da Ricci nessa operação. A Locamerica também anunciou ontem efetivação da compra de 2.022 carros da Panda de Itu, em um negócio que abrange a aquisição dos direitos sobre os contratos de locação atualmente vigentes da Panda de Itu. A aquisição representa um aumento de 7,7% na frota da Locamerica.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/08/2017
Cemig oferece R$ 11 bilhões para evitar leilão
Proposta de manter concessão de quatro usinas foi aceita pelo governo, desde que estatal apresente garantias
19/08/2017
Diminui o pessimismo entre os empresários em Minas, aponta Fiemg
Icei subiu em agosto, mas continua abaixo da linha do otimismo
19/08/2017
Comércio quer negociar com o governo mineiro a redução da carga tributária
Não bastasse o recuo do consumidor decorrente da crise econômica, o comércio sofre para lidar com a alta tributação em Minas Gerais. Desde 2016, quando o governo...
19/08/2017
BC registra avanço de 0,2% no Sudeste
Boletim Regional do banco aponta acomodação do cenário, com perspectiva de recuperação gradual
19/08/2017
Grupo ABC vai investir em Patos de Minas
Hipermercado deverá ser inaugurado até o início de 2018 e vai gerar aproximadamente 300 empregos
› últimas notícias
Cemig oferece R$ 11 bilhões para evitar leilão
Diminui o pessimismo entre os empresários em Minas, aponta Fiemg
Comércio quer negociar com o governo mineiro a redução da carga tributária
BC registra avanço de 0,2% no Sudeste
Federaminas difunde projeto de educação financeira em MG
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Desoneração da folha afeta a Previdência
BNDES aprova R$ 122,8 milhões para Instituto Senai
Rombo na Funcef é alvo de protesto
Cinco municípios geram empregos em Minas
Rio das Velhas atinge nível crítico de vazão
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de August de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.