Publicidade
20/11/2017
Login
Entrar

Finanças

09/09/2017

Investidores estão optando por mais risco

Da Redação
Email
A-   A+
Os investidores do segmento de varejo (clientes do varejo e do varejo alta renda) optaram por tomar mais risco na hora de aplicarem em fundos em julho. Ainda que a maioria das aplicações deste segmento continue concentrada em fundos de renda fixa (R$ 46 bilhões), os multimercados – aqueles que têm em suas carteiras ativos diversificados como renda fixa, ações, câmbio – vêm ganhando espaço. Até o mês de julho, esses produtos registraram captação líquida de R$ 5,8 bilhões, o que representou 11,3% do total de R$ 51,1 bilhões aplicado pelos clientes deste segmento.

“As quedas da taxa de juros têm tornado as aplicações em renda fixa menos atrativas, o que está impulsionando os investidores a buscarem, ainda que em ritmo lento, outras alternativas de produtos que envolvam mais risco”, explica Carlos Ambrósio, vice-presidente da Anbima. “O crescimento da procura dos multimercados é um reflexo desse movimento. Acredito que seja intensificado até o final do ano, quando a Selic pode chegar a 7%”, acrescenta.

Captação da indústria - Entre as categorias que apresentaram maiores captações no mês de agosto, estão os fundos de renda fixa, com R$ 25 bilhões, e os multimercados, com R$ 8 bilhões. Na sequência, aparecem os fundos de previdência, com R$ 4,3 bilhões. Considerando os ingressos totais no ano, essa mesma ordem prevalece: R$ 102,4 bilhões nos fundos de renda fixa; R$ 58,2 bilhões nos multimercados; e R$ 25,7 bilhões nos fundos de previdência.

O destaque em agosto foi a retomada da atratividade dos fundos de ações. O tipo Small Caps – fundos que têm em suas carteiras ações de empresas que não estejam no IBrX, isto é, com baixa capitalização de mercado – teve alta de 7,70% superando o Ibovespa em 0,24 ponto percentual. Esse tipo de produto vem registrando bons resultados ao longo de 2017.

Entre os fundos de renda fixa, as maiores rentabilidades ficaram com os tipos Dívida Externa (1,49%) e Duração Alta Crédito Livre (1,18%). Esse último é formado por uma carteira com papéis de longo prazo, que foram valorizados nos últimos meses por conta do cenário macroeconômico. Entre os multimercados, o tipo Long Short e Direcional registrou alta de 2,62%.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/11/2017
Índice Bovespa volta a subir e fecha a semana em alta
Bolsa paulista valorizou 1,28% na sexta-feira
18/11/2017
Grupo vai discutir crédito para o varejo
São Paulo - O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, se comprometeu a montar um grupo de trabalho com o objetivo de buscar soluções ao alto custo de crédito...
18/11/2017
IPC-S de Belo Horizonte tem variação positiva de 0,24%, aponta a FGV
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal da cidade de Belo Horizonte (IPC-S/Belo Horizonte) registrou variação de 0,24%, na apuração realizada na segunda...
18/11/2017
Dólar registra queda de 0,47% aos R$ 3,263
São Paulo - Após passar a manhã volátil, o dólar se firmou no campo negativo e renovou as cotações mínimas ante o real na tarde de...
17/11/2017
Controladora da Centauro pede aval para IPO
São Paulo - O Grupo SBF , da rede varejista de artigos de esporte Centauro, pediu registro de companhia aberta e de oferta de ações à Comissão de Valores...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.