Publicidade
20/11/2017
Login
Entrar

DC Mais

13/09/2017

Governadores lançam "Carta de Diamantina"

Agência Minas
Email
A-   A+
MANOEL MARQUES/IMPRENSA MG/DIVULGAÇÃO/
Os governadores de Minas Gerais, Fernando Pimentel, e dos estados do Acre, Mato Grosso, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe e Rondônia lançaram ontem a “Carta de Diamantina”. O objetivo do documento, assinado durante reunião em Diamantina, no Alto Jequitinhonha, e que será encaminhado à Presidência da República, é demonstrar a união e a urgências dos chefes dos Executivos em torno do encontro de contas entre estados e governo federal - buscando, assim, recuperar as perdas ocorridas devido à Lei Federal 87/1996, conhecida como Lei Kandir.

Fernando Pimentel, que mobilizou como anfitrião os demais governadores, defendeu que a União adote imediatamente o encontro de contas proposto. “Esse documento trata basicamente da Lei Kandir. Esse é um processo que está em curso em Brasília. Já temos uma decisão favorável do Supremo Tribunal Federal (STF) aos estados dizendo que o prazo vai até novembro deste ano para que essa compensação seja regulamentada. Também já existe uma comissão mista criada no Congresso Nacional para isso. Mas, até onde sabemos, o governo não fez nenhum movimento objetivo nesta direção. O que nós estamos reivindicando é que esse ressarcimento seja feito na forma de um encontro de contas. Ou seja, todos os estados têm débitos, têm dívidas com a União, e poderíamos abater dessa dívida do montante dos ressarcimentos que terão que ser feitos. Isso facilitaria tanto para a União quanto para os estados. A Carta de Diamantina reitera essa reivindicação”, defendeu o governador.

A declaração ocorreu em coletiva após o encontro, que reuniu os governadores Tião Viana (Acre), Pedro Taques (Mato Grosso), Wellington Dias (Piauí), Robinson Faria (Rio Grande do Norte), Confúcio Moura (Rondônia) e Jackson Lima (Sergipe).

A “Carta de Diamantina”  lembra que a Lei Kandir, ao isentar o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) das exportações de produtos primários e commodities, estabeleceu ressarcimentos aos estados pelas perdas inerentes à isenção. Esses ressarcimentos, portanto, justificam a necessidade de reparar prejuízos ocorridos devido à ausência de arrecadação de tributos estaduais.

Minas Gerais, por exemplo, tem a receber R$ 135 bilhões relativo a essas perdas. Em contrapartida, a dívida atual do Estado com a União é de cerca de R$ 88 bilhões.

Regulamentação - A carta destaca ainda que o reconhecimento da necessidade de compensação dessas perdas foi confirmado pela promulgação da Emenda Constitucional 42/2003 e corroborado pelo STF em Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão, em 30 de novembro de 2016, estabelecendo o prazo de um ano para regulamentação.

“No intervalo tão extenso desde a promulgação da Lei Kandir, há 21 anos, as perdas dos estados acumularam-se a valores exorbitantes e vêm prejudicando a capacidade de cumprimento das atividades estaduais. A lei resultou na concentração de recursos da União e, simultaneamente, no enfraquecimento dos estados, Distrito Federal e municípios, penalizando o cidadão”, diz trecho. “Avaliamos que o encontro de contas pretendido contribuirá para restabelecer a saúde financeira dos Estados e recuperar sua autonomia frente às competências institucionais”, completa o documento.

O governador do Mato Grosso, Pedro Taques, citou a situação de seu Estado frente às perdas com a Lei Kandir. “O debate é muito importante. Hoje existe uma concentração de recursos nas mãos da União. Desde 1996, com a Lei Kandir, até hoje, o Mato Grosso deixou de arrecadar R$ 61 bilhões. Enquanto isso, a União nos devolveu R$ 7 bilhões. A lei foi importante em um determinado momento para alguns Estados, mas hoje precisamos que essas perdas sejam compensadas, o que não vem sendo feito pela União. Temos perdido muito. O Mato Grosso se faz presente nesta luta com Minas Gerais”, pontuou. As informações são da Agência Minas.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/11/2017
Festival realça as delícias culinárias de Diamantina
A oitava edição do Diamantina Gourmet, que será encerrada domingo (19), busca a consolidação do evento na terra de Chica da Silva e Juscelino Kubitschek,...
18/11/2017
Curtas DC Mais
Uma BH melhor O trabalho “Código de Posturas: Contribuições da ACMinas para uma BH melhor”, formulado pelo Conselho Empresarial de Assuntos Jurídicos,...
18/11/2017
Agenda Cultural 18/11
Comédia Teatro - Em sua segunda montagem, a peça “Amor de Salto Alto”, da Tannure Produções Artísticas, tem direção de Daniel...
17/11/2017
Grupo Corpo a preços populares
Para fechar sua agenda de atividades de 2017, o Grupo Corpo faz uma temporada a preços populares em Belo Horizonte. O programa duplo, composto pelas duas peças que comemoraram os 40...
17/11/2017
Há 100 anos nascia o imortal Josué Montello
Na cabeceira da cama de meu pai havia sempre mais de um livro. Não era raro que, ao lado de um volume sobre novas descobertas científicas ou sobre os mistérios da mente humana...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.