Publicidade
20/10/2017
Login
Entrar

Economia

23/09/2017

Empresariado está mais otimista e Icei atinge o maior nível desde março de 2013, aponta CNI

Da Redação
Email
A-   A+
O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) alcançou 55,7 pontos em setembro, o maior nível desde março de 2013, antes do início da crise econômica. Com o aumento de 3,1 pontos em relação a agosto, o indicador deste mês é superior à média histórica de 54 pontos. As informações são da pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) na sexta-feira. Os indicadores da pesquisa variam de zero a 100 pontos. Quando ficam acima de 50 pontos, mostram que os empresários estão confiantes.

A confiança é maior nas grandes indústrias, segmento em que o Icei alcançou 57,4 pontos. Nas pequenas empresas, o indicador ficou em 53,4 pontos e, nas médias, foi de 54,7 pontos. A melhora do otimismo é resultado da melhora da percepção sobre as condições atuais e sobre as expectativas em relação ao desempenho das empresas e da economia nos próximos seis meses.

O índice de confiança sobre as condições atuais aumentou 4 pontos em relação a agosto e alcançou 50,5 pontos. Foi a primeira vez, desde novembro de 2012, que o indicador ficou acima da linha divisória dos 50 pontos, que separa percepção de piora das condições de negócio da percepção de melhora. O índice de expectativas aumentou 2,6 pontos, na comparação com agosto, e atingiu 58,4 pontos.

De acordo com a CNI, a manutenção da trajetória ascendente do Icei é decisiva para a recuperação dos investimentos. “Sem investimento, a economia brasileira não estará preparada para voltar a crescer em ritmo mais elevado nos próximos anos”, afirma a pesquisa.

Essa edição do Icei feita entre 1º e 15 deste mês com 2.966 indústrias em todo o País. Dessas, 1.165 são pequenas, 1.142 são médias e 659 são de grande porte.

Leia também:
Ainda cauteloso, consumidor tem uma melhor perspectiva


ICI - O Índice de Confiança da Indústria (ICI) apurado na prévia da sondagem de setembro teve avanço de 0,1 ponto em relação ao resultado fechado de agosto, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) na sexta-feira. Se confirmado, o indicador alcançou 92,3 pontos em setembro. Com o resultado, o índice retornaria ao nível de maio deste ano, após recuperar-se da perda ocorrida em junho.

O Índice da Situação Atual (ISA) recuou 0,4 ponto na prévia, para 89,6 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) aumentou 0,7 ponto, para 95,1 pontos.

O resultado preliminar de setembro indica ainda queda de 0,1 ponto porcentual no Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) da indústria, de 74,1% em agosto para 74,0% em setembro.

A prévia dos resultados da Sondagem da Indústria abrange a consulta a 783 empresas entre os dias 4 e 19 de setembro. O resultado final da pesquisa será divulgado no próximo dia 29. Com informações da Agência Estado.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/10/2017
Varejo agora é dinâmico e personalizado
As mudanças nos hábitos dos consumidores têm motivado a integração dos mundos físico e virtual
20/10/2017
Três Corações Caffitaly inicia produção em Montes Claros
Inversões podem chegar a R$ 180 mi
20/10/2017
Limitação do linhão do Norte para o Sudeste pode elevar contas de luz
São Paulo  - Uma limitação no montante de energia que pode ser transportado pela maior linha de transmissão de eletricidade do Brasil, que leva até o...
20/10/2017
Governo muda regras da Caixa para que não sofra interferências políticas
Brasília - O governo estuda mudanças nas regras de governança da Caixa Econômica Federal, que, caso sejam aprovadas, passará a ser um banco pouco exposto a...
20/10/2017
Investimentos no Brasil ficam estáveis em agosto
Rio de Janeiro - Os investimentos ficaram estáveis no País em agosto, segundo cálculos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O Indicador Ipea de...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.