18/06/2016 - CURTAS Negócios

Voo de helicóptero compartilhado Segundo estudo divulgado pela Associação Brasileira dos Pilotos de Helicóptero (Abraphe), a cidade de São Paulo, em 2013, ultrapassou Nova York e passou a ter a maior frota de helicópteros do mundo. Atualmente, existem 411 aeronaves registradas somente na capital paulista, No entanto, o uso de helicópteros para viagens de negócios ou até mesmo de lazer é restrito a um pequeno grupo de pessoas. Visando facilitar o acesso à aviação executiva, os empreendedores Milton Gazzano e Henrique Antunes lançaram a FlyEdge, dando o ponta pé inicial para a era do fretamento de voos compartilhados na capital paulista. Além de desburocratizar todo o processo de fretamento utilizando a tecnologia móvel, a plataforma irá oferecer preços inferiores aos praticados pelo mercado de aviação executiva devido à possibilidade de adquirir assentos individuais. Aplicativo curitibano já está presente em 38 cidades Remando contra a maré da atual crise econômica que assombra o País, o aplicativo curitibano Docway vem crescendo a cada dia. A ideia surgiu diante do caos que é a saúde brasileira hoje, e isso vale tanto para a saúde pública quanto para os planos de saúde, que atualmente oferecem serviços demorados, saturados e deixam pacientes horas em uma fila de espera. Atualmente, o aplicativo funciona em quatro capitais: Curitiba, Belo Horizonte, São Paulo e Manaus e em mais 34 cidades do interior. O serviço já tem mais de 700 médicos cadastrados. Além do serviço de atendimento médico em domicílio, o aplicativo ainda oferece opções de vacinação, coleta de exames e atendimento de emergência, o último é identificado pelo botão Samu. Todos os atendimentos são feitos na hora e local em que a pessoa necessitar. WOW Aceleradora Seleciona sete startups A WOW - uma das principais aceleradoras de startups do País, com sede em Porto Alegre – concluiu o processo seletivo para a sua sexta turma de aceleração. Foram selecionadas sete novas startups, de diversas regiões do País, que receberão investimentos financeiros diretos de R$ 700 mil no total, além de participação no programa de aceleração, que representa investimento econômico de mais de R$ 1 milhão. Brasileiros criam aplicativo para mercado de orgânicos nos EUA Em setembro de 2015, inspirado por um grupo de amigos que produzem e vendem produtos orgânicos através do whatsapp, o brasileiro Felipe Neuwald teve a ideia de conectar produtores e consumidores por meio de um aplicativo, removendo os intermediários e entregando assim, o produto mais fresco possível. Com isso em mente, Neuwald apresentou a ideia para seu amigo e agora sócio, Davi Neves. Juntos começaram a desenvolver a ideia e criaram a startup PepMesh. Hoje, após análises de mercado, e desenvolvimento de processos de Design Thinking, pretendem faturar US$ 4,7 milhões no primeiro ano de atividade. A startup nasceu e irá acontecer nos EUA, onde o mercado de orgânicos ultrapassou em 2013 o valor de US$ 27 bilhões, o que corresponde a quase 40% do mercado mundial, que no mesmo período atingiu US$ 72 bilhões. Startup Pago Até transforma compradores em anunciantes O mercado de compra e venda de produtos usados é um dos que mais cresce no mundo – no ano passado, a OLX, uma das gigantes do setor, movimentou R$ 70 bilhões, equivalente a 1% do PIB brasileiro. Para abocanhar uma fatia desse setor, a startup Pago Até decidiu inverter a lógica do negócio: na plataforma, o comprador anuncia o que deseja adquirir e o vendedor procura propostas interessantes. Em pouco mais de seis meses já foram mais de 11 mil produtos publicados, de roupas, acessórios e eletrônicos a carros, itens de colecionador e até imóveis. Por trás da proposta, está a ideia de que inverter os papéis na transação permite ao comprador definir o preço e, portanto, pagar mais barato, e ao vendedor fechar o negócio mais rápido. “É só entrar no site, procurar quem deseja adquirir o que ele disponibiliza, ver o telefone, ligar e, em poucos minutos está feita a venda”, diz Fernando Luz, sócio do Pago Até, que completa: “Em um momento de crise como o que vivemos no País, quem deseja comprar tem mais poder de barganha”.