Publicidade
16/08/2017
Login
Entrar

Agronegócio

22/07/2017

Consumo de etanol deve aumentar em Minas Gerais

Gasolina ficou menos atrativa
Michelle Valverde
Email
A-   A+
Desde janeiro o etanol havia perdido a competitividade frente à gasolina/Divulgação
O consumo de etanol hidratado em Minas Gerais será favorecido após o reajuste da alíquota do Programa de Integração Social e Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (PIS/Cofins), anunciado pelo governo federal, na última quinta feira,  incidente nos combustíveis. O aumento no PIS/Confins da gasolina tende a tornar a paridade entre os dois combustíveis favorável ao etanol, cujo reajuste foi menor. A medida é importante para o setor sucroenergético, que está em plena colheita da safra de cana-de-açúcar.

Com o reajuste, a alíquota incidente sobre a gasolina subiu de R$ 0,3816 para R$ 0,7925 o litro, uma diferença de R$ 0,41. No caso do etanol, a alíquota passou de R$ 0,12 para R$ 0,1309 para o produtor. Nas distribuidoras, a alíquota, que estava zerada, passou para R$ 0,1964. Ao todo, o reajuste no etanol será de R$ 0,20.

De acordo com o presidente da Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (Siamig), Mário Campos, os preços do etanol devem ficar mais atrativos para o consumidor.

“Nós já tínhamos, em muitas localidades de Minas Gerais, uma situação caminhando para a melhor competitividade do etanol frente a gasolina. O aumento dos impostos atingiu dois produtos, mas com maior majoração na gasolina, o que efetivamente pode favorecer o etanol”, disse Campos.

Ele relembrou que, desde janeiro, o etanol havia perdido a competitividade frente a gasolina após a volta da cobrança do PIS/Cofins, R$ 0,12, sobre o biocombustível, que até então estava isento. “Com estas alterações, esperamos que a relação de preços entre os combustíveis chegue ao consumidor e o etanol se torne uma opção mais acessível”, disse.

Leia também
Diferenciação tributária agrada o setor

Diesel
– No entanto, a indústria de cana-de-açúcar, apesar do aumento do diferencial entre os preços da gasolina e do etanol, que é importante para o combustível renovável, vai ser penalizada com o aumento do PIS/Cofins do diesel, já que os custos de produção serão elevados. A alíquota incidente sobre o diesel passou de R$ 0,2480 para R$ 0,4615 nas refinarias.

“Nós gastamos em torno de 4 litros de diesel por tonelada de cana moída, que vai desde o plantio, passando pela colheita até o transporte. É um consumo considerável e, por isso, pode aumentar o custo”, disse.

Mercado - Para a analista de agronegócio da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Ana Carolina Gomes, como o impacto do imposto será maior no combustível fóssil, a tendência é gerar mercado para o renovável.

“Quando se aumenta um imposto os preços para o consumidor são reajustados. Neste caso, a gasolina tende a perder a competitividade para o etanol. Com preços mais baratos, o consumo de etanol acaba sendo estimulado. Os carros de hoje possuem tecnologia que permite a flexibilidade e a decisão pelo economicamente mais viável deve acontecer”, explicou.

Ana Carolina ressalta que, por estarmos no período de safra da cana, as usinas estão em plenas condições de atender ao aumento da demanda.

A moagem de cana-de-açúcar em Minas Gerais deve recuar 4% na safra 2017/18, com o esmagamento de 61 milhões de toneladas. A produção total de etanol no Estado será de 2,33 bilhões de litros, queda de 12% frente ao volume gerado na safra anterior. No período, a produção de hidratado será de 1,38 bilhão de litros, queda de 12%.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

15/08/2017
Preço do boi gordo volta a subir
Menor oferta de animais contribui para o aumento nos valores praticados
15/08/2017
Cafeicultura: concurso de qualidade está com inscrições abertas
Os cafeicultores interessados em participar do Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais de 2017 já podem fazer as inscrições. A competição é...
15/08/2017
Saponina será retirada da vacina contra a aftosa
A saponina deverá deixar de ser um dos componentes da vacina contra a febre aftosa, informou o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, na última...
15/08/2017
Torrefação Cooxupé atinge a capacidade
Em apenas dois anos, a Torrefação Cooxupé – inaugurada em nova planta industrial em julho de 2015 – dobrou a produção e chegou à sua capacidade...
12/08/2017
Inaugurada a primeira usina brasileira de etanol de milho
São Paulo - A FS Bioenergia, primeira usina brasileira para produção de etanol exclusivamente a partir do milho, foi oficialmente inaugurada na sexta-feira (11) em Lucas do...
› últimas notícias
Caged: Minas é destaque na criação de empregos formais
Roubo de cargas onera toda a sociedade
Magnesita Refratários reporta prejuízo líquido de US$ 41,4 milhões
Corte a importações da Coreia do Norte é imposto
Balança tem superávit de US$ 873 milhões na segunda semana de agosto, aponta Mdic
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Roubo de cargas onera toda a sociedade
Receita da Pif Paf deve ir a R$ 4 bilhões
Vale passa a ter o controle indefinido e afasta o fantasma de interferência governamental
Magnesita Refratários reporta prejuízo líquido de US$ 41,4 milhões
Estado busca alavancar indústria criativa
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de August de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.