Publicidade
26/07/2017
Login
Entrar

DC Mais

09/09/2014

Comissão vai convocar empresas

Email
A-   A+
A Comissão Nacional da Verdade anunciou ontem que vai convocar empresas que colaboraram com a ditadura militar (1964-85) para prestarem esclarecimentos.

Um dos focos de investigação do grupo, a colaboração de companhias nacionais e estrangeiras com a repressão será tema de uma audiência que deve ser realizada no próximo mês, segundo a advogada Rosa Cardoso, uma das comissárias.

"Ainda vamos estudar as várias formas de responsabilização dessas empresas, mas há tratados e entendimentos internacionais que dizem que, em situações como a da ditadura brasileira, a responsabilização das empresas e dos empresários não pode ser esquecida", ressaltou Cardoso.

Dezenas de companhias, nacionais e estrangeiras, ajudaram os órgãos da repressão denunciando trabalhadores engajados na resistência e repassando informações sobre a atuação deles, sobretudo nos sindicatos, entre o final dos anos 1970 e o início da década de 1980. Há casos de companhias que repassaram fichas funcionais dos empregados aos órgãos de segurança.

Com a ajuda de similares municipais e estaduais ou com foco no setor sindical, a Comissão Nacional da Verdade já tem uma lista inicial de pelo menos 20 empresas que constam em documentos dos órgãos de repressão como colaboradoras. São elas: Monark, Caterpillar, Confab, Engesa, Embraer, Avibras, Rhodia, Ford, Ericsson, FNV, General Motors, Petrobras, Johnson, Kodak, Philips, Telesp, Villares, Embrape, Vibasa e Volkswagen.

Leia também

Festival do Teatro Brasileiro traz seleção de arte gratuita a BH
Curtas DC Mais
Agenda Cultural 26/07
Diálogos DC vão discutir cultura, educação e tecnologia
Curtas DC Mais

Recusa - Convocado para depor nesta segunda-feira (8) na Comissão Nacional da Verdade para tratar do período da ditadura militar (1964-1985), o tenente da reserva José Conegundes do Nascimento respondeu que não iria comparecer porque "não (colaborava) com o inimigo". Em resposta escrita, Conegundes afirmou ainda para os integrantes da Comissão: "se virem".

Conegundes combateu esquerdistas na Guerrilha do Araguaia (1972-1974), implantada pelo PC do B com o objetivo de formar, com a infiltração gradual de militantes armados e integrados à comunidade local, uma área militarizada na região que hoje abrange o norte do Tocantins e o sudeste do Pará.

Ele era um dos cinco militares esperados na Comissão da Verdade em depoimentos marcados para esta segunda. Três apresentaram atestados médicos, incluindo o coronel da reserva Sebastião Rodrigues de Moura, o Curió, um dos chefes da repressão aos esquerdistas na Guerrilha do Araguaia. (FP)





Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

26/07/2017
Festival do Teatro Brasileiro traz seleção de arte gratuita a BH
Belo Horizonte recebe, de 7 a 27 de agosto, pela primeira vez, o Festival do Teatro Brasileiro (FTB), que traz à Capital uma importante seleção das artes cênicas...
26/07/2017
Curtas DC Mais
Visita ao DC O ex-governador de Minas Gerais e ex-presidente da Assembleia Legislativa do Estado Alberto Pinto Coelho e o também ex-presidente da Assembleia Legislativa mineira, por...
26/07/2017
Agenda Cultural 26/07
Turnê Estadual Filarmônica - A cidade histórica de Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, recebe, mais uma vez, a Orquestra Filarmônica...
25/07/2017
Diálogos DC vão discutir cultura, educação e tecnologia
Estimular o desenvolvimento de Minas Gerais através de uma rede que mantenha um debate contínuo e proponha soluções concretas para os temas relacionados aos...
25/07/2017
Curtas DC Mais
Aeroporto de BH “O uso do aço na construção do Novo Aeroporto Internacional de Belo Horizonte” será o tema da palestra de Marcelo Barbosa, um dos...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.