Publicidade
20/10/2017
Login
Entrar

Negócios

16/09/2017

Colégio Nossa Senhora das Dores compra Colégio São Francisco

Daniela Maciel
Email
A-   A+
Há 67 anos em Belo Horizonte, o tradicional Colégio Nossa Senhora das Dores (CNSD), instalado no bairro Floresta, na região Leste, dá um passo importante para a sua expansão com a compra do igualmente tradicional Colégio São Francisco (CSFA), no bairro Pompeia, na mesma região.

A negociação, que não teve os valores divulgados, dá origem ao Colégio Nossa Senhora das Dores - Unidade Pompeia. De acordo com a diretora do CNSD, irmã Vânia Duque Sobrinho, o foco agora é na estruturação da gestão da nova escola, negando a possibilidade de outras aquisições em curto prazo.

Para conduzir a transição foi constituída uma comissão conjunta, composta pela diretoria e pelas coordenações das duas escolas. Essa comissão, que se encontrou pela primeira vez na manhã do dia 14 de setembro, se reunirá semanalmente para delinear as propostas pedagógicas e institucionais.

Ambos oferecem educação do ensino infantil ao médio. “Este processo de transição será muito cuidadoso e respeitoso. Queremos preservar, no quadro de funcionários do colégio, aqueles que assim o desejarem, de acordo com as necessidades da escola no próximo ano”, afirma a irmã Vânia Duque Sobrinho.

A integração foi a saída encontrada pelos padres capuchinhos, segundo o Frei João Ferreira Júnior, diretor do CSFA, para garantir a sustentabilidade do colégio. Como escolas confessionais e com projetos pedagógicos muito próximos, a união parece ter o caminho facilitado.

“Nossa sustentabilidade institucional em médio prazo se tornou preocupação irrenunciável. Por isso, os investimentos necessários para os próximos anos estariam para além de nossas possibilidades atuais. Foi uma decisão estratégica quanto à sustentabilidade futura da escola”, explica Ferreira Júnior.

Com isso, o CNSD passa de cerca de 1,5 mil alunos para cerca de 2,1 mil, um aumento de 40% do corpo discente. “Quando conhecemos o Colégio São Francisco de Assis, sua comunidade e equipe profissional, vimos grande conexão com o que acreditamos. Além de fisicamente estarmos muito próximos, temos a mesma essência educacional, a missão de promover a evangelização de crianças e jovens por meio da educação. E proposições que sustentam-se na excelência acadêmica, em processos educativos inovadores e no desenvolvimento das múltiplas inteligências”, avalia a diretora do CNSD.

No Brasil, além do CNSD em Belo Horizonte, as irmãs Batistinas comandam o Colégio Angelorum, no Rio de Janeiro. Atualmente, as irmãs Batistinas estão presentes em outros 17 países dos cinco continentes: Itália, Estados Unidos, Chile, Polônia, Canadá, Argentina, México, Zâmbia, Malawi, África do Sul, Índia, Filipinas, Coreia do Sul, Madagascar, Moldávia, Camarões e Austrália. A Congregação das Irmãs de São João Batista é uma família internacional, com cerca de 850 Irmãs.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/10/2017
Eu sei que sou difícil: como conhecer suas limitações pode impactar o seu negócio
Ter um gênio difícil pode ser ruim para a convivência com as pessoas. Mas, acredite, é pior ainda para o crescimento da sua empresa
20/10/2017
Israel ganha uma startup a cada 8 horas
Possibilidades de conexão entre o país e Minas Gerais foram apresentadas e debatidas ontem em BH
20/10/2017
Pastelaria Marília terá opção fit em 2018
A tradicional pastelaria Marília de Dirceu, que completa 25 anos em novembro, está investindo R$ 400 mil em obras de expansão. Localizada na praça homônima, no...
20/10/2017
País precisa de mais investimentos
Setor contribui para o desenvolvimento e para a inserção no cenário internacional
20/10/2017
Excelência da Nippon é destaque em simpósio
O intercâmbio tecnológico Japão-Brasil promovido pela Nippon Steel & Sumitomo Metal Corporation (NSSMC) foi tema do painel “De uma Ponta a Outra”, parte da...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.