Publicidade
18/10/2017
Login
Entrar

Agronegócio

12/08/2017

Centro-Sul produziu um recorde de 3,41 milhões de toneladas de açúcar na 2ª metade de julho

Email
A-   A+
Volume supera a maior produção apurada em agosto do ciclo 2012/2013/Niels Andreas/Divulgação
São Paulo - As usinas do Centro-Sul do Brasil produziram na segunda metade de julho um recorde de 3,41 milhões de toneladas de açúcar para uma quinzena, na esteira de uma moagem também recorde, de acordo com a União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica).
O volume supera o recorde anterior, de 3,34 milhões de toneladas na segunda quinzena de agosto do ciclo 2012/13, e reflete o clima seco, que beneficiou a colheita, e o maior direcionamento de matéria-prima para fabricação do produto.

Na segunda metade do mês passado, 50,33% da oferta de cana foi alocada para a fabricação de açúcar, ante 48,05% um ano antes.

Paralelamente, a moagem somou 50,74 milhões de toneladas de cana por usinas e destilarias do Centro-Sul, 2,64% mais na comparação anual, e a maior quantidade para uma única quinzena em toda a história. O recorde anterior era da segunda metade de julho de 2015, durante a safra 2015/16, com 49,66 milhões de toneladas, segundo a Unica. O volume ficou ligeiramente acima do esperado por analistas.

Seca - A entidade ponderou, contudo, que o tempo seco de agora deve ser prejudicial para a cana que será colhida mais adiante na atual temporada 2017/18, iniciada em abril.
“A condição climática caracterizada pelo clima seco observado há quase dois meses nas principais regiões produtoras do Centro-Sul favoreceu a operacionalização da colheita nas últimas quinzenas, mas deve acentuar a queda de produtividade agrícola da área que será colhida nos próximos meses de safra”, afirmou a entidade.

“No início da safra, as condições climáticas e os índices registrados no campo indicavam uma recuperação da produtividade, mesmo com um canavial mais envelhecido. Essa percepção tem sido drasticamente alterada após esse período prolongado sem chuva”, acrescentou a associação.

Citando dados do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), a Unica destacou que, de abril a julho, a retração no rendimento das plantações foi de 2,91%, para 82,44 toneladas por hectare, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Quanto ao etanol, a produção atingiu na segunda quinzena de julho 2,08 bilhões de litros, praticamente estável na comparação anual, segundo a Unica.

No acumulado da temporada, a moagem de cana alcança 297,32 milhões de toneladas, 4,74% abaixo de um ano atrás.

De abril a julho, o Centro-Sul produziu 17,56 milhões de toneladas de açúcar (mais 3,48%) e 11,57 bilhões de litros de etanol (menos 10,15%).

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/10/2017
Etanol: aumenta o consumo em Minas Gerais
Com preços competitivos frente à gasolina, produção do biocombustível tende a crescer
18/10/2017
Brasil deve exportar frango para a Indonésia em 2018
Brasília - O Brasil venceu uma disputa comercial com a Indonésia na Organização Mundial do Comércio (OMC) e poderá começar a vender frango para o...
18/10/2017
Clima favorece produção de cana-de-açúcar
Ribeirão Preto - Condições climáticas favoráveis ao longo dos últimos meses contribuíram para o desenvolvimento dos canaviais, e as usinas do...
18/10/2017
Redução do ICMS puxou a demanda
Ribeirão Preto - O consumo de etanol hidratado em Minas Gerais, Estado com a segunda maior frota de veículos do País, está atualmente em...
17/10/2017
Pesquisa subsidiará políticas públicas
Em MG, 40 mil questionários já foram aplicados, de 600 mil propriedades a serem visitadas até fevereiro de 2018
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.