Publicidade
20/09/2017
Login
Entrar

DC Mais

17/05/2017

BH reabrirá parques, após o surto de febre amarela

Abr
Email
A-   A+
Brasília - Os parques de Belo Horizonte (BH) que estavam fechados devido ao surto de febre amarela em Minas Gerais serão reabertos à visitação em breve. A Secretaria Municipal de Saúde avaliou que a situação da doença está sob controle e decidiu autorizar o acesso do público aos parques.

Estavam fechados, como medida preventiva para proteção da população, os parques das Mangabeiras, da Serra do Curral (Foto) e Jacques Cousteau. A Secretaria de Saúde recomenda, porém, que os frequentadores estejam com a vacinação em dia.

Apesar da intensidade do surto em Minas Gerais, a Capital não registrou nenhum caso de transmissão de febre amarela para humanos. Por outro lado, três macacos encontrados mortos em Belo Horizonte tiveram testes positivos para o vírus da doença, em 11, o resultado foi negativo e 31 ainda não foram confirmados.

O Parque das Mangabeiras, na região Centro-Sul, está interditado desde 23 de fevereiro. Ontem ele recebeu visita de alunos de uma escola. Por enquanto, apenas instituições de ensino poderão organizar passeios voltados à educação ambiental, mediante agendamento prévio. A reabertura ao público em geral é prevista para o mês que vem.

Já o Parque da Serra do Curral, na mesma região Centro-Sul, também fechado em fevereiro, está em manutenção. Segundo a Fundação de Parques Municipais, ainda não há data para liberar o acesso ao público. O Parque Jacques Cousteau, na região Oeste de Belo Horizonte, deverá ser reaberto ainda nesta semana. A decisão seria tomada em uma reunião realizada ontem. O parque estava interditado desde 13 de fevereiro.

A doença - A febre amarela atinge humanos e macacos e é causada por um vírus da família Flaviviridae. No meio rural e silvestre, o vírus é transmitido pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes. Em área urbana, o vetor é o Aedes aegypti, o mesmo da dengue, do vírus Zika e da febre chikungunya.

De acordo com o Ministério da Saúde, a transmissão da febre amarela no Brasil não ocorre em áreas urbanas desde 1942. No atual surto, nenhum caso foi urbano.

A vacina é a principal medida de combate à febre amarela. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a campanha de imunização desenvolvida em Belo Horizonte alcançou cobertura vacinal da quase totalidade da população.

O surto de febre amarela no início deste ano é considerado o maior no Brasil desde 1980, quando o Ministério da Saúde passou a disponibilizar dados da série histórica. De acordo com levantamento da pasta, divulgado na última sexta-feira (12), neste ano, a doença já levou à morte 259 pessoas. Até então, a situação mais grave havia ocorrido em 2000, quando morreram 40 pessoas em todo o País.

Ainda não há explicações científicas sobre a intensidade do surto. Um grupo de especialistas de diferentes estados do Brasil se articulou para investigar a relação entre a doença e a degradação do meio ambiente. Por sua vez, a Fundação Oswaldo Cruz identificou oito alterações genéticas do vírus e vem pesquisando se essas mutações o teriam deixado mais agressivo.

De toda forma, desde março, o ritmo de transmissão da doença vem diminuindo. Em Minas Gerais, a Secretaria de Estado de Saúde divulgou o último boletim em 26 de abril. Até essa data, houve confirmação para febre amarela em 151 óbitos no Estado e 24 estavam em investigação. Os 853 municípios mineiros contabilizaram 1.139 notificações para a doença, sendo que 427 casos foram confirmados, 554 descartados e os 158 restantes ainda estão em análise.

O boletim de 26 de abril trouxe  só nove notificações a mais do que o registrado nas duas semanas anteriores. Entre os levantamentos  de 19 e 12 de abril, a transmissão da febre amarela em Minas se mostrou estável. Em ambas as datas, o número de notificações se manteve em 1.130.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/09/2017
Crise econômica impacta o financiamento estudantil
Brasília - As mudanças propostas pelo governo federal para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) mobilizam o Congresso. Apresentada em 7 de julho, a Medida Provisória...
20/09/2017
Curtas DC Mais 20/09
Almoço-palestra da ADCE “Belo Horizonte: Desafios da Requalificação para a Retomada da Relevância” é o tema do almoço-palestra da...
20/09/2017
Agenda Cultural 20/09
Cinema Nacional - Programação dedicada ao cinema nacional com o lançamento de “As duas irenes”, dirigido por Fábio Meira, com sessão...
19/09/2017
Ibef Minas lança nova edição do "Equilibrista do Ano"
Para reconhecer o trabalho dos profissionais de finanças do Estado será realizada mais uma edição da premiação “Equilibrista do Ano”, promovida...
19/09/2017
Curtas DC Mais 19/09
Licenciamento ambiental O Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG) e a Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento...
› últimas notícias
Usiminas reajustará preços em 10,2%
Setor deve mudar o foco dos investimentos
Iace tem alta de 0,7% em agosto, aponta a FGV
MP para repactuação de concessões é publicada
BR Food cogita reduzir produção em fábricas de Uberlândia
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Minas se distancia da recessão
Fapemig aguarda até 16 de outubro os projetos de pesquisa para o Queijo Minas Artesanal
Compre Certo planeja ampliar atuação no interior do País
Reino Unido estreita, ainda mais, parceria com Fiemg Lab
Arranjos Produtivos Locais em Minas vão receber investimentos personalizados
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de September de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.