Publicidade
21/10/2017
Login
Entrar

Negócios

02/08/2014

Albergues atraíram estrangeiros durante a Copa do Mundo

Email
A-   A+
Brasília - As hospedagens alternativas foram bastante requisitadas pelos viajantes estrangeiros que estiveram no Brasil durante a Copa do Mundo. Albergues, imóveis alugados e camping serviram de base para 23,8% dos turistas internacionais que estiveram no país.

Três razões explicam a grande procura dos estrangeiros pelos meios alternativos: a tentativa de se aproximar da cultura local; o valor, em geral, mais acessível; e a oferta dessa modalidade nas cidades-sede da Copa. Segundo a Pesquisa de Serviço de Hospedagem, do IBGE, e dados levantados pelo MTur, são 3.491 leitos em pensões, como o cama e café; 3.804 albergues; 22.478 leitos em imóveis para aluguel e 29.940 em motéis. Se considerada a oferta de municípios vizinhos, somariam mais 59.713 às sedes do evento.

"Nosso papel é o de estimular o mercado a oferecer hospedagens adequadas aos diversos perfis de turistas", disse o ministro do Turismo, Vinicius Lages. " uma forma de diversificar a oferta e atender aos anseios de todos os tipos de viajantes", disse.

As 12 cidades-sede abrigam quase a metade dos albergues credenciados à maior rede de albergues do país, a Hostelling International, oferecendo 2.235 leitos. A média de ocupação durante o mundial foi alta: aproximadamente 90%. Em Brasília, o Hostel 7 teve ocupação máxima em dias de jogo. "Foi surpreendente. Tivemos casa lotada e até fila de espera na capital. A filial de Goiânia também sentiu a movimentação da Copa e fechou finais de semana com 100% de lotação", disse o sócio Eldon Clayton.

A preferência geral dos estrangeiros durante o Mundial, no entanto, ainda foi por hotéis, flats e pousadas: mais da metade deles (53,9%) optou por acomodações tradicionais. Entretanto, a tendência de crescimento dos meios alternativos cresce a cada ano: dos cerca de 5,67 milhões de estrangeiros que estiveram no país em 2012, quase a metade (44,2%) optou por meios alternativos durante sua estada no país. Os albergues e camping (4,9%) abrigaram 278,1 mil estrangeiros, as casas alugadas (11,9%) outros 675,4 mil e as casas de amigos e parentes (27,9%) mais 1,58 milhões de visitantes.


Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
Empresários apostam em lojas temporárias
Casa Maia prevê vendas 30% maiores
21/10/2017
Alteração de cobrança do ISSQN gera polêmica
Para o prefeito, adequação traz benefícios para o município, como o ?aspecto espacial do imposto?
21/10/2017
Contagem sedia Semana da Economia Criativa
No Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil, organizado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Minas Gerais aparece em sétimo lugar...
21/10/2017
Congresso vai reunir mais de mil profissionais em BH
Minas Gerais possui 6.300 empresas do ramo
21/10/2017
Modelo não dispensa exigências legais
Ao contrário do que se imagina, as lojas temporárias não dispensam as exigências legais, segundo o especialista em legislação empresarial e analista do...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.