Publicidade
20/11/2017
Login
Entrar

»

Negócios

08/06/2013

Espetinhos e long neck fazem sucesso no Prado

Combinação atrai consumidores e garante casa cheia todos os dias
Julia Duarte
Email
A-   A+
CHARLES SILVA DUARTE
Luizinho iniciou o negócio em 1999, com uma churrasqueira e um isopor na calçada
Luizinho iniciou o negócio em 1999, com uma churrasqueira e um isopor na calçada

Conhecido como importante polo de moda de Belo Horizonte, o bairro Prado, na região Oeste da cidade, vem ganhando cara nova. Quem circula pela região logo percebe a grande quantidade de bares abertos por ali. E se existe uma fórmula para o sucesso ela se resume a dois itens: espetinho de carne e cerveja long neck. Os bares que seguem esse formato ficam lotados, chegando a receber até mil pessoas por dia. Os clientes enchem mesas, corredores e até as calçadas em frente aos estabelecimentos.

No O Rei Espetinhos e Cervejas, na avenida Francisco Sá, o dia de maior movimento é a quinta-feira, quando cerca de mil pessoas passam pelo local, segundo cálculos de Machado Júnior e Alisson Godinho, sócios do empreendimento. Os clientes começam a ocupar os espaços por volta das 18h, para o happy hour, e não param mais de chegar. Com todas as mesas ocupadas, eles se espalham pelas áreas de circulação da casa e até pela calçada em frente. Nos dias mais cheios, até parte da pista da avenida é tomada de consumidores.

Conhecido apenas como Rei, o bar começou suas atividades em dezembro de 2009, em uma loja de 40 metros quadrados na rua Turquesa, também no Prado. Machado Júnior trabalhava em uma confecção no local e durante uma conversa com Alisson Godinho, não por acaso na mesa de um bar, eles decidiram abrir um negócio naquele espaço. "Nós conversamos e vimos que pela área que tínhamos o que era possível fazer era um bar no formato de espetinho e long neck, onde o cliente compra a ficha, pega a bebida e a comida no balcão e fica bebendo em pé", lembra Machado Júnior.

Godinho acrescenta que o modelo se mostrou prático e informal. "As pessoas que buscam o bar no formato tradicional querem mais conforto. Aquelas que vão a um local como o nosso não se importam em beber em pé, por exemplo", diz. A ideia deu tão certo que os clientes passaram a lotar a calçada em frente ao estabelecimento, até que eles precisaram se mudar para um lugar maior. Há um ano o Rei funciona na avenida Francisco Sá, no endereço onde funcionava outro bar. O tíquete médio hoje fica entre R$ 30 e R$ 40.

Mesmo com toda essa informalidade, os sócios do Rei prezam, principalmente, pelo bom atendimento. Eles atendem aos clientes pessoalmente e fazem questão de cumprimentar um a um. "Nós priorizamos o bom atendimento. Cerveja gelada é obrigação", garante Godinho. A casa conta com 12 funcionários diretos e ainda contrata cinco free lancers para os dias de maior movimento. São garçons e seguranças que ajudam a manter o padrão de atendimento.

O Rei trabalha em parceria com a Ambev e, de acordo com Machado Júnior, se tornou hoje o maior revendedor de cerveja long neck da marca Budweiser de Minas Gerais. Os espetinhos vendidos no local são de produção própria e agora os sócios estão investindo em uma fábrica dos produtos, também no bairro Prado. Além de fornecer para o bar, eles também fazem eventos externos e pretendem expandir esse negócio.


Isopor - Outro estabelecimento que faz sucesso na região, apostando na combinação espetinho de carne e long neck, é o Churrasquinho do Luizinho. Quem hoje freqüenta o galpão de 450 metros quadrados que abriga o bar, na avenida Francisco Sá, no entanto, não imagina como o seu proprietário, Luiz Augusto Barbosa da Costa, o Luizinho, começou. "Foi com uma churrasqueira e um isopor na calçada da rua Cuiabá, em 1999", lembra. De lá, ele se mudou para uma garagem de 17 metros quadrados, depois para uma loja de 55 metros quadrados, sempre no Prado, até que em agosto de 2009 chegou ao imóvel onde está hoje.

Ele calcula que em noites de maior movimento cerca de 500 pessoas chegam a passar pelo estabelecimento. E Luizinho faz questão de cumprimentar uma a uma. Para ele, o segredo do sucesso está na presença do dono, supervisionando todo o trabalho. "Eu olho tudo. Se a cerveja está gelada, se a carne está fresca. O atendimento também é fundamental", diz. O Churrasquinho do Luizinho já chegou a ser o maior revendedor de cerveja long neck de Minas Gerais, mas ele não informa quantas unidades do produto são vendidas por noite.

Dezessete variedades formam o cardápio de espetinhos da casa. Entre elas estão alcatra, lombo, frango, linguiça, salsichão, asinha de frango e coração. De acordo com Luizinho, são vendidos, em média, 600 espetos por noite. "Nos dias de maior movimento chega até a 1,2 mil espetinhos", calcula. Cada um custa R$ 4.


Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/10/2013
Falta de espaço nas capitais abre espaço para os strip malls
Formato prevê várias lojas com estacionamento na frente . Mesmo com o constante avanço dos shopping centers tradicionais, seja pelas capitais ou por cidades de médio porte, os strip...
19/10/2013
Falls comomera 10 anos de mercado
Um dos mais antigos strip malls da cidade, o Falls Shopping, localizado no bairro Santa Lúcia, na região Centro-Sul, comemora uma década de funcionamento. Segundo o superintendente, Carlos...
19/10/2013
Estação BH já conta com 205 lojas em operação
Há quase um ano e meio no mercado, o Shopping Estação BH ainda está trazendo novidades para o mix . Abriu as portas recentemente no mall o instituto Beleza Natural, especializado em...
19/10/2013
Mineira transforma paixão em negócio
Administradora Paula Bahia tem 500 pontos de vendas de calçados em todo o Brasil e já conquistou celebridades. DIVULGAÇÃO Pode ser um modelo...
19/10/2013
Trabalho: prazer ou sofrimento?
O trabalho é uma das áreas que mais proporciona prazer e causa sofrimento aos seres humanos. Durante a minha trajetória como consultor de negócios, encontrei pessoas que realmente se sentem...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.