29/10/2011 - Vale inicia obra de duplicação da EFVM

Primeiro trecho, entre Barão de Cocais e São Gonçalo do Rio Abaixo, receberá aportes de R$ 80 milhões. APARECIDA LIRA. AGÊNCIA VALE/DIVULGAÇÃO Segundo a mineradora, serão duplicados 24 dos 905 quilômetros da Estrada de Ferro Vitória a Minas Segundo a mineradora, serão duplicados 24 dos 905 quilômetros da Estrada de Ferro Vitória a Minas A Vale S/A deu início às obras de duplicação dos primeiros quatro quilômetros da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), entre Barão de Cocais e São Gonçalo do Rio Abaixo, na região Central do Estado. Ao todo, serão duplicados 24 dos 905 quilômetros. Esta primeira fase custará R$ 80 milhões e tem prazo de conclusão de 30 meses. Já a segunda etapa, de 20 quilômetros, tem início no começo de 2011 e a previsão é de que ela seja entregue até março de 2015. O objetivo da duplicação, segundo a mineradora, é atender ao possível aumento da demanda pelo transporte de minério de ferro e cargas em geral. Vale ressaltar que no município de São Gonçalo do Rio Abaixo fica a mina de Brucutu, uma das maiores operações de minério da Vale, com capacidade de 30 milhões de toneladas/ano. Em agosto, a Vale concluiu outro trecho da EFVM, a terceira linha da ferrovia no Vale do Aço, onde foram construídos 10 quilômetros de linha férrea dentro da área de operação da ferrovia, localizada entre Santana do Paraíso e Ipatinga, além de uma nova estação. A meta da mineradora é ampliar a capacidade da EFVM em 20% até 2013. A capacidade da ferrovia passará de 100 milhões para 120 milhões de toneladas/ano. A empresa já tem o aval do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), vinculado ao Ministério do Meio Ambiente (MMA), para a duplicação deste primeiro trecho da EFVM. Entretanto, enfrenta problemas com o órgão para a liberação do chamado Projeto Apolo, na região Central do Estado. A criação de um parque nacional na área em que a mina será instalada, em estudo pelo Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio), vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, emperrou o processo de licenciamento junto à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). De acordo com a Vale, outro trecho de quatro quilômetros da EFVM também será duplicado. A estrada de ferro receberá inversões entre a zona rural de São Gonçalo do Rio Abaixo e Santa Bárbara. Aportes - Os aportes na área de logística da mineradora deverão somar somente neste ano US$ 5,014 bilhões. Os recursos serão aplicados nos portos e ferrovias controlados pela Vale. Entre as concessionárias estão a EFVM, a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) e a Estrada de Ferro Carajás. A empresa anunciou no ano passado um plano de investimentos da ordem de US$ 4,6 bilhões em Minas Gerais, com o objetivo de expandir suas operações de minério de ferro. Entre os projetos está o Conceição Itabiritos, que compreende a construção de uma planta de concentração para adicionar 12 milhões de capacidade nominal de pellet feed, utilizando o run-of-mine (ROM) da mina de Conceição, no complexo de Itabira (região Central). O aporte total é estimado em US$ 1,174 bilhão, dos quais US$ 411 milhões estão orçados para 2011. O início das operações está previsto para o segundo semestre de 2013. Outro grande projeto é o Vargem Grande Itabiritos, com inversões estimadas em US$ 1,521 bilhão. O empreendimento compreende a construção de uma planta de concentração que será abastecida por itabiritos provenientes das minas de Abóboras, Tamanduá e Capitão do Mato. A capacidade nominal será de 10 milhões de toneladas/ano. Somente em 2011, os investimentos somarão US$ 356 milhões.