20/08/2018
Login
Entrar

Finanças

26/07/2018

Santander Brasil registra alta de quase 30% no lucro no 2º trimestre

De abril a junho, valor apurado foi de R$ 3,025 bilhões
Reuters/AE
Email
A-   A+
Aumento do crédito e controle das despesas contribuíram para a elevação dos ganhos/Alisson J. Silva
São Paulo - A combinação de alta robusta do crédito e controle das despesas operacionais e com provisões para calotes impulsionaram o lucro do Santander Brasil no segundo trimestre. O maior banco estrangeiro no País anunciou, ontem, lucro gerencial, ou recorrente, de R$ 3,025 bilhões no período, montante 29,6% maior do que os R$ 2,335 bilhões de igual etapa de 2017. Na comparação sequencial, o aumento foi de 5,8%.

Já o lucro societário, referência para remuneração aos acionistas, subiu 58,1% ano a ano e 5,4% sobre o trimestre anterior, para R$ 2,972 bilhões.

Assim como tem ocorrido nos últimos quatro trimestres, o impulso no lucro foi apoiado por forte crescimento das operações de crédito do banco. No fim de junho, a carteira de empréstimos do Santander Brasil somava R$ 290,48 bilhões, um aumento de 13,1% em 12 meses. O destaque foi o financiamento ao consumo, com um salto de 23%.

Além do aumento do volume de operações, o banco praticou maiores spreads - diferença entre o custo de captação e o valor cobrado para emprestar a clientes. Com isso, a receita oriunda das operações de crédito cresceu 20,1% ano a ano. E a qualidade da carteira foi mantida, com o índice de inadimplência acima de 90 dias em 2,8%, queda de 0,1 ponto percentual na comparação anual e sequencial.

Com isso, a despesa do banco com provisões para perdas com calotes, menos a despesa com recuperação de operações baixadas para prejuízo, somou R$ 2,6 bilhões no trimestre, queda de 1,8% contra o primeiro trimestre. O indicador que mede o custo do crédito ficou estável ano a ano, em 3,2%.

Em outra frente, as receitas com tarifas e serviços subiram 3,4% contra o trimestre imediatamente anterior e evoluíram 12,7% ano a ano, para R$ 4,28 bilhões.

As chamadas despesas gerais avançaram em ritmo inferior ao da expansão das receitas, mesmo com o banco ampliando em 1,4 mil seu quadro de funcionários no período de 12 meses encerrado em julho. As despesas, que incluem salários, tiveram alta anual de 7%, para R$ 4,87 bilhões.

Com esse conjunto, a rentabilidade anualizada sobre o patrimônio líquido, que mede como um banco remunera o capital de seus acionistas, foi de 19,5% no período, aumento de 0,4 ponto percentual sobre o trimestre anterior.

GetNet - O Santander Brasil também informou ontem que a sua adquirente, a GetNet, elevou seu faturamento em 33,5% no segundo trimestre, totalizando R$ 44,1 bilhões, em relação ao visto um ano antes, de R$ 33,1 bilhões. Assim, a participação do banco no “mercado de maquininhas” atingiu 13,2%, expansão de 2,2 pontos percentuais em 12 meses, considerando dados da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) de março.

Em número de transações, foram 508,1 milhões de abril a junho, aumento de 9,27% sobre os três meses anteriores. Ante um ano, foi registrada expansão de 38,15%.
No primeiro semestre de 2018, a GetNet capturou R$ 85 bilhões em suas máquinas, cifra quase 32% superior à registrada em idêntico intervalo do ano passado, que foi de R$ 64,512 bilhões.

O banco destaca ainda, em relatório que acompanha as suas demonstrações financeiras, que a GetNet avançou em seu posicionamento físico e digital com a habilitação do pagamento contactless (tecnologia NFC), que atingiu cerca de 90% da base de terminais (POS, na sigla em inglês), melhorando a experiência dos clientes.

De saída - O Banco Santander Espanha decidiu descontinuar o programa de Certificados de Depósito de Ações (BDRs) Nível III na B3. O conselho do banco na Espanha aprovou ainda que, após concluído o processo, ocorra o cancelamento do registro do Banco Santander Espanha na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) como companhia aberta emissora estrangeira de valores mobiliários (na categoria “A”).

“Esclarece-se que a Descontinuidade do Programa de BDRs do Banco Santander Espanha em nada afeta a negociação das ações e das Units do Banco Santander (Brasil) S.A., que continuarão sendo negociadas normalmente na B3”, conforme fato relevante.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/08/2018
Dólar encerra 2ª semana em alta
Na cena interna, pesquisa de intenção de votos acabou impactando humor de investidores
18/08/2018
Indicador avança 0,67% em nova prévia de agosto
Rio de Janeiro - O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 0,67% na segunda prévia de agosto, após ter aumentado 0,53% na segunda prévia de julho. A...
18/08/2018
Demora em reformas pode afetar progresso
Brasília - O Banco Central (BC) afirmou, na sexta-feira (17), em seu Boletim Regional, que “o nível de incerteza relativo ao ritmo de implementação de reformas e...
18/08/2018
Ibovespa recua e acumula queda de 0,6%
São Paulo - O Ibovespa caiu na sexta-feira (17), revertendo a alta da semana, diante de maiores receios com a cena eleitoral e a apreensão envolvendo a Turquia, com as...
17/08/2018
Mercado revê projeção e estima déficit menor no ano
Segundo boletim Prisma deste mês, rombo no País deve ser de R$ 148,1 bi
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


18 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.