20/08/2018
Login
Entrar

Finanças

10/03/2018

Companhia francesa eleva a nota do Brasil

AE
Email
A-   A+
São Paulo - Na contramão das agências tradicionais de classificação de risco, a Companhia Francesa de Seguros e Comércio Exterior (Coface)  elevou a nota do Brasil, de “C” para “B”, disse ao Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) a economista da empresa, Patrícia Krause. Pelos parâmetros da seguradora francesa, porém, o Brasil continua sendo uma economia especulativa.

A Coface avalia o rating de 100 países onde está presente com seus serviços e é a líder no seguimento de seguro de crédito e exportação no Brasil. Pelos parâmetros da empresa, países que detêm notas A, A1, A2, A3 e A4 são classificados como investment grade, ou livres de riscos. De B a E referem-se a países que oferecem riscos de insolvência. Na região da América Latina, o único país que detém a nota E é a Venezuela, para o qual a Coface hoje não aceita mais fazer seguros.

Patrícia explica que a pequena elevação no rating brasileiro é resultado da melhora dos balanços das empresas no ano passado, que culminou com a alta expressiva dos preços das ações na bolsa de valores. “O Brasil saiu do alerta vermelho do grupo”, disse a economista da seguradora francesa.

O ano 2017, segundo ela, foi de recuperação para a Coface. Foi um período em que ocorreu um número menor de sinistros comparativamente a 2016. “Estamos dentro do que é razoável”, disse a economista, acrescentando que hoje não há mais no grupo uma preocupação específica com Brasil.

Além da melhora da saúde financeira das empresas no ano passado, na esteira da retomada da economia, internamente a Coface adotou práticas com o objetivo de reduzir o volume de sinistros. Entre as ações, a empresa aumentou o time de analistas de riscos e saiu de operações consideradas de elevadíssimo risco.

“Tanto é que a gente melhorou a nota do Brasil, o que é totalmente contraditório com o que está acontecendo com os ratings”, reiterou Patrícia. Ela conta que a Coface leva mais em consideração o histórico de pagamento das empresas e o histórico de relacionamento das empresas com a seguradora.

“Além disso, fazemos uma análise de curto prazo. As agências de rating olham mais para o risco soberano do País, para o longo prazo. Neste ponto o Brasil não melhorou nada. A reforma da Previdência não foi votada e a política fiscal continua ruim. Mas do ponto de vista do curto prazo, os balanços das empresas melhoraram, tanto que a gente viu o quanto a bolsa subiu nos últimos tempos”, disse.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/08/2018
Dólar encerra 2ª semana em alta
Na cena interna, pesquisa de intenção de votos acabou impactando humor de investidores
18/08/2018
Indicador avança 0,67% em nova prévia de agosto
Rio de Janeiro - O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 0,67% na segunda prévia de agosto, após ter aumentado 0,53% na segunda prévia de julho. A...
18/08/2018
Demora em reformas pode afetar progresso
Brasília - O Banco Central (BC) afirmou, na sexta-feira (17), em seu Boletim Regional, que “o nível de incerteza relativo ao ritmo de implementação de reformas e...
18/08/2018
Ibovespa recua e acumula queda de 0,6%
São Paulo - O Ibovespa caiu na sexta-feira (17), revertendo a alta da semana, diante de maiores receios com a cena eleitoral e a apreensão envolvendo a Turquia, com as...
17/08/2018
Mercado revê projeção e estima déficit menor no ano
Segundo boletim Prisma deste mês, rombo no País deve ser de R$ 148,1 bi
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


18 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.