Publicidade
17/11/2017
Login
Entrar

Agronegócio

27/10/2017

Café Santa Mônica investe em inovação

Para conquistar o varejo, a empresa lançou o Drip Coffee, um minicoador de dose única, com encaixe na xícara
Michelle Valverde
Email
A-   A+
Objetivo é atender a um novo padrâo de consumo, que visa à praticidade: o preparo do café gourmet é rápido e fácil/SIC/Divulgação
A população brasileira está consumindo mais cafés especiais e procurando por produtos inovadores, o que tem incentivado as empresas a apostarem em novas tendências. O café Santa Mônica, cuja produção é em Machado, no Sul de Minas Gerais, está investindo em opções para o varejo. Desde 2015, a empresa vem desenvolvendo novas opções como os cafés especiais torrados e moídos e as cápsulas. Neste ano, foi lançada mais uma opção, o Drip Coffe, um minicoador com dose única de café, criado para coar a bebida direto na xícara. O produto foi apresentado ao consumidor mineiro durante a Semana Internacional do Café, que é realizada em Belo Horizonte.

De acordo com o diretor do Café Santa Mônica, Marcelo Moscofian, até 2015 a empresa tinha como foco produzir cafés especiais e comercializar no food service, atendendo a demanda de cafeterias, hotéis e restaurantes.

“Percebemos que os clientes consumiam nossos produtos e queriam levar o café de qualidade para ser consumido nos lares e não tínhamos opções para o varejo. Diante da demanda, nos preparamos para atender este mercado. Como a marca não era conhecida, decidimos entrar no mercado com algo inovador. Além disso, o consumidor precisava degustar nosso café. Por isso, a cada ponto do varejo que entramos, colocamos um barista para apresentar o produto e a nossa história. Hoje, não adianta chegar para o consumidor e falar que é o melhor café; ele quer saber como é produzido e como se faz. Por isso, o trabalho de apresentação é importante”.

Visando a praticidade e a facilidade de acesso a um café de qualidade, a empresa desenvolveu o Drip Coffee, um minicoador de encaixe direto na xícara, que permite o preparo rápido do café gourmet. De acordo com Moscofian, a aceitação do produto no mercado tem sido positiva, o que incentivou o lançamento de mais duas opções: o café intenso e o orgânico, que chegarão ao mercado em novembro.  

“O Drip coffee atende um novo padrão de consumo que visa à praticidade. O consumidor só precisa de uma caneca e de água quente para fazer a dose única. As pessoas podem levar o café em viagens, por exemplo, tendo a garantia de levar no bolso o café que gosta e de fácil de preparo”, explicou.

Além do café de bolso, a empresa também disponibiliza no varejo cápsulas de café e sachê de bebidas quentes em monodose, em três sabores: chocolate europeu, chai latte e cappuccino. A expectativa é de que as vendas no setor correspondam a 20% do faturamento da empresa esse ano, devendo chegar a 50% em dois anos.




Leia também:
Minas tem potencial para mais selos UTZ

Produção -
Fundado em 1985, o café Gourmet Santa Mônica é produzido em cinco fazendas no Sul de Minas Gerais. A empresa também adquire pequenos lotes de café especiais premiados. Em 2017, a produção de cafés nas unidades próprias alcançará de 8 mil a 10 mil sacas de 60 quilos. Sem divulgar valores, o Café Santa Mônica informou que o faturamento no Brasil deve crescer 38% em 2017.

O objetivo da empresa, segundo Moscofian, é ampliar a atuação no mercado interno, de acordo com o crescimento da demanda. A empresa, que também exporta café verde especial, pretende embarcar cafés processados e de maior valor agregado para os principais mercados consumidores.

“O café brasileiro é muito usado no mundo como base para blends, utilizando apenas 20% de cafés da Colômbia e da Etiópia, por exemplo. Na verdade, é o café brasileiro que está fazendo a base e o volume. É um café de qualidade, pois, senão, prejudicaria a bebida. Os outros países não têm produção suficiente para fazer isso. Por isso, usam o café Brasil como base da mistura. Queremos colocar o produto acabado no mercado mundial para o consumidor entender que o café brasileiro não é só quantidade, que ele tem qualidade.

Parece que o mercado mundial não quer reconhecer para não aumentar os preços do nosso café”.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/11/2017
Valor Bruto da Produção recua 9,57% em Minas Gerais
Receita foi estimada em R$ 53,46 bilhões, com retração de preços de produtos como café, soja e milho
17/11/2017
Brasil deve apurar queda de 5,1% no ano
São Paulo - O Valor Bruto da Produção agropecuária (VBP) do Brasil poderá cair 5,1% em 2018 na comparação com 2017, quando o Brasil colheu uma...
17/11/2017
Marfrig adere ao Refis, com dívidas de R$ 1,3 bi
São Paulo - A Marfrig anunciou ontem que aderiu ao programa de refinanciamento de débitos tributários federais, o chamado Refis, com dívidas consolidadas de...
17/11/2017
Indústria de carnes do Brasil teme perder mercado russo
São Paulo - A indústria de carnes do Brasil confia na fiscalização que garante exportações para a Rússia livres de um aditivo alimentar e espera...
15/11/2017
Gado Zebu terá sequenciamento de genoma
Objetivo do projeto desenvolvido pela associação dos criadores, Sebrae e Fazu é a melhoria genética
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.