08/02/2014 - Varginha traça planos para atrair turistas

Apesar de ser conhecida mundialmente e da economia pujante, Varginha, no Sul de Minas Gerais, ainda aproveita pouco o potencial turístico da região rica em ambientes naturais preservados, boa estrutura logística, com boas estradas e aeroporto, e estrategicamente posicionada entre São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. A notoriedade conquistada há 18 anos, quando jornais do mundo inteiro noticiaram a suposta aparição de um ser extraterrestre e, a partir daí, a cidade virou ponto de peregrinação de estudiosos e curiosos sobre a vida em outros planetas, hoje é pouco explorada e não traz dividendos significativos para o município que tem no café a base da economia. Tratado com um certo deboche, do "ET de Varginha", restaram alguns abrigos de ônibus que carregam sua estampa, uma caixa d"água em forma de disco voador e um projeto de memorial eternamente encoberto por mato e burocracia. E poucos artesãos se interessam em fabricar produtos que remetam à história. Nova licitação - De acordo com o técnico em turismo da Secretaria Municipal de Turismo e Comércio (Setec) de Varginha, Gleiber Piva, o projeto do memorial orçado em R$ 830 mil está passando por uma nova licitação. "Os recursos são federais. A primeira licitação não deu certo porque a vencedora apresentou irregularidades e foi desclassificada. O processo foi refeito e não temos data para o início das obras. O objetivo é que o memorial tenha também um planetário e é possível que até a Secretaria de Turismo seja transferida para lá", explica Piva. Segundo o técnico em turismo, até hoje muitos turistas chegam atraídos pelo "Incidente de Varginha", inclusive muitos estrangeiros, mas comerciantes e artesãos dão pouca importância à oportunidade, como de resto, à atividade turística no geral. "Durante muito tempo não houve valorização da história do ET e nem do turismo. Agora estamos alinhando esforços e estratégias com a Secretaria de Estado de Turismo (Setur) e com o Ministério do Turismo (MTur). Queremos fechar uma rede de negócios composta pelos hotéis, restaurantes e outros membros do trade para buscar qualificação. O objetivo final é criar um selo e um catálogo turístico capazes de atestar qualidade e, com isso, dar visibilidade à Varginha como produto turístico", afirma. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2011, Varginha, com pouco mais de 124 mil habitantes, é uma das cidades-polo da região Sul de Minas, destacando-se por seu parque industrial diversificado, comércio e prestação de serviços variados.  importante polo regional, principalmente nas áreas de educação, saúde, esportes e cultura. Dispõe de um Porto Seco - Estação Aduaneira do Interior que atua na área de comércio exterior, de onde é escoada a maior parte da produção cafeeira da região Sul. Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Varginha (CDL-Varginha), João Bosco Morais de Alencar, a história do visitante interplanetário poderia ser um diferencial melhor explorado pelo trade turístico municipal. "No início tivemos alguns investimentos, mas hoje pouca coisa é feita aproveitando essa história. Varginha tem outros atrativos e uma infraestrutura boa, mas ainda pouco percebida pelos empresários do turismo. Ficamos conhecidos mundialmente mas aproveitamos pouco disso", reclama Alencar. Do mesmo modo pensa a presidente da Associação dos Artesãos e Artista Populares de Varginha, Neiva Paes de Carvalho. "As pessoas chegam querendo ver o ET e, na verdade, vão encontrar poucas coisas relativas a ele. A cidade não soube aproveitar essa fama e poucos artesãos trabalham com esse tema", afirma Neiva de Carvalho. Potencial do município é pouco explorado Se o extraterrestre que supostamente desembarcou em Varginha, na região Sul de Minas Gerais, não é capaz de agitar o turismo da região, outros polos, lentamente, começam a atrair visitantes e o olhar dos empresários atrás de bons negócios. A gastronomia é um deles. Restaurantes rurais e a culinária mineira são destaque. De acordo com o o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Varginha (CDL-Varginha), João Bosco Morais de Alencar, os bons restaurantes já fazem a fama da cidade. "Temos uma vida noturna intensa, com boa casas que recebem artistas de outros lugares e atraem visitantes das cidades próximas. O baixo índice de criminalidade nos ajuda a construir essa boa imagem", explica Alencar. Outro polo de turismo que merece destaque é o de saúde, na opinião do presidente da CDL-Varginha. "Temos uma tradição em atender pacientes vindos de toda a região e também do interior de São Paulo. São quatro hospitais importantes. O Centro Oncológico (da Fundação Hospitalar do Município de Varginha (FHOMUV) - Hospital Bom Pastor) é referência para 204 municípios", destaca. Mas está no café e na exuberante natureza das terras altas, acima de 900 metros de altitude, e incontáveis cachoeiras as maiores chances de fazer deslanchar a indústria do turismo. Algumas fazendas começam a abrir as portas, a exemplo do que é feito em cidades vizinhas, para visitantes interessados em conhecer a cultura do café. O turismo de aventura e o turismo rural também começam a ganhar adeptos, mas falta estrutura. Segundo o técnico em turismo da Secretaria Municipal de Turismo e Comércio (Setec) de Varginha, Gleiber Piva, a situação deve mudar no médio prazo. "Os eventos que combinam gastronomia com as cavalgadas. As escaladas da Pedra do Carrapato e da Pedra Vermelha, além dos passeios às cachoeiras tem muito potencial, mas ainda demandam mais investimento. Estamos colocando a casa em ordem para organizar o trade e potencializar as iniciativas", garante Piva. Entre as ações, está a recuperação da rodoviária orçada em R$ 150 mil. Além disso, estão em fase de pré-projeto a instituição de dois roteiros turísticos: o primeiro em parceria com o município de Três Pontas, o Caminho Religioso do Padre Víctor; e outro com São Tomé das Letras, o Circuito Místico-Ufológico. "São públicos diferentes que tem saída comum em Varginha. Como temos o aeroporto e somos bem servidos por rodovias, podemos reunir esses visitantes oferecendo a eles comodidade e atrativos variados", afirma o técnico em turismo. "Não apenas o ecoturismo, mas os esportes e o patrimônio histórico podem gerar mais interesse e, consequentemente negócios. Temos um belo estádio, um ginásio pronto para ser inaugurado, um teatro belíssimo do século 19, além do casario que podem ser mais explorados e divulgados. Temos um grande potencial turístico ainda não descoberto pelos empresários", lamenta Alencar.